Importância do segundo idioma para o mercado de trabalho

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Até o início dos anos 2000, no mais tardar até 2010, os recrutadores de candidatos a uma vaga de emprego observavam atentamente àquele inscrito que tinha um diferencial no currículo: o segundo idioma.
Quase uma década depois, a maioria dos selecionados para um emprego tem algo em comum: o segundo idioma, porém sendo a língua estrangeira parte integrante do currículo e não mais um diferencial.
 
Mas por que um segundo idioma tornou-se parte do currículo?
Com o aumento da competitividade no mercado de trabalho e os altos índices de desemprego no Brasil – são mais de 13 milhões de pessoas sem trabalho (13,2 milhões/Junho de 2018/IBGE) -, os contratantes estão cada vez mais exigentes, o que obriga os candidatos a buscarem aperfeiçoamento.
Falar outro idioma tornou-se um requisito básico, assim como fazer uma especialização ou ter experiência no ramo a que se destina a vaga.
Caso você ainda não tenha fluência (falar, ler e escrever fluentemente) em uma segunda língua, é melhor começar a pensar nisso na hora de procurar uma posição melhor. Opções não faltam.
 
Você conhece o termo inglês corporativo?
A língua inglesa, por exemplo, é falada por cerca de 750 milhões de pessoas em todo o mundo, sendo o inglês o idioma mais utilizado no mundo dos negócios e o mais exigido nas formações profissionais.
Portanto, o inglês corporativo – também conhecido como inglês empresarial ou ‘business oriented’ – ensina aspectos do idioma relacionados ao universo dos negócios e às demandas do dia a dia de cada profissional. O conteúdo é mais específico, dinâmico e conectado ao seu campo de atuação.
 
Mas como equilibrar o estudo do idioma e o trabalho?
Em tempos em que o colaborador é cada vez mais exigido, com jornadas que variam de oito a dez horas de trabalho diárias, não é fácil incluir uma segunda atividade no dia. Pelo menos não uma atividade que demande deslocamento ou horas inflexíveis do dia.
Portanto, o ideal é que você opte por cursos on-line, porque além de serem bastante atualizados, são acessíveis para serem feitos a qualquer hora e em qualquer lugar que você estiver, o que o desobriga de estar dentro de uma sala de aula em horários engessados do seu dia.
 
Como as empresas podem engajar colaboradores para aprender um segundo idioma?
Uma ótima oportunidade vem sendo adotada por empresas que investem em seus colaboradores: cursos on-line de idiomas. As aulas são acessadas via smartphone, tablet ou computador e o participante tem à disposição vários níveis de aprendizagem.
É o caso do Qualifica – um aplicativo educacional móvel, parte integrante do Vale-Educação, que oferece mais de 40 cursos, entre os quais o de inglês nos níveis básico, intermediário e avançado. São 198 horas/aula e a vantagem é que você organiza o seu tempo de acordo com suas atividades durante o dia.
À medida que vai cumprindo os módulos, você tem acesso à uma prova. Caso você seja aprovado, um certificado é concedido e pode ser anexado ao seu currículo.
Outra forma de engajar os colaboradores para aprender um segundo idioma é proporcionar momentos de interação entre eles, uma ou duas vezes por semana, somente na língua estrangeira – um bom momento para aprender, bater papo, ajudar o colega e, claro, dar boas risadas.