Como enfrentar a síndrome de burnout

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Você conhece alguém extremamente desgastado no trabalho ou já se pegou em uma situação similar? Ou por acaso já ouviu falar da síndrome de burnout? Burnout é uma palavra do idioma inglês e pode ser traduzida como “queimar por completo”, no caso o estresse emocional e físico pelo qual a pessoa sofre no ambiente corporativo.
Também chamada de síndrome do esgotamento profissional, é um distúrbio psíquico que se baseia em um estado de tensão emocional e estresse provocado por condições de trabalho desgastantes.
Essas condições podem envolver questões físicas, emocionais e psicológicas, sendo que a síndrome geralmente se manifesta em pessoas cujas profissões exigem um envolvimento interpessoal intenso. Muitas vezes é considerada de caráter depressivo, o ponto máximo do estresse profissional.
Os workaholics, ou seja, aqueles indivíduos que são viciados em trabalho são fortes candidatos a desenvolver a síndrome de burnout.
 
Quais são os principais sintomas?
O sintoma primário, ou seja, aquele que desencadeia outros sintomas é uma sensação de esgotamento físico e emocional que reflete em atitudes negativas como absenteísmo, agressividade, isolamento, irritabilidade, mudanças bruscas de humor, dificuldade de concentração, pessimismo, depressão, distanciamento afetivo, ansiedade e baixa autoestima.
Outros sintomas secundários também são relatados como dores de cabeça, sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares, insônia, crises de asma e distúrbios gastrintestinais.
 
E como enfrentar a síndrome de burnout?
Além de uma pausa no trabalho, quem é diagnosticado com a síndrome de burnout recebe tratamento psicológico. Durante esse processo, o terapeuta ajuda o paciente a encontrar determinadas estratégias para combater o estresse.
Nas consultas, a pessoa tem tempo para desabafar e para trocar experiências que ajudam a melhorar o autoconhecimento e a ganhar mais segurança no trabalho.
As estratégias para a melhora do quadro incluem:
– Reorganização do trabalho, com a redução das horas laborais ou tarefas exigidas.
– Aumento do convívio com amigos, para se distrair do estresse do trabalho.
– Execução de atividades relaxantes ou que saem da rotina, como dançar, ir ao cinema, sair com os amigos etc.
– Fazer cursos de áreas amplas que não necessariamente tem ligação com a atividade laboral. Exemplo: um curso de idiomas ou de administração do tempo.
– Fazer exercícios físicos, como caminhada, Pilates, hidroginástica etc.
O ideal é fazer várias técnicas ao mesmo tempo para que a recuperação seja mais rápida e eficaz.
Em casos mais graves, um psiquiatra pode indicar a ingestão de remédios antidepressivos por um período de tempo para sanar problemas como a sensação de inferioridade e incapacidade de contornar a situação.
 
Sinais de piora
Caso não se submeta ao tratamento de forma adequada, o colaborador pode apresentar características como perda total de motivação com relação ao trabalho, ausência exacerbada e desenvolvimento de distúrbios gastrointestinais, como diarreia e vômitos.
 
Sinais de melhora
Ao se submeter ao tratamento de forma adequada, o colaborador, aos poucos, passa a apresentar sinais de melhora como maior rendimento, maior confiança e, consequentemente, menor frequência de dores de cabeça e cansaço.
Com essa evolução, ele passa a se sentir bem e voltar normalmente às atividades laborais.