4 dicas para incentivar a qualidade de vida de seus colaboradores

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Estar disposto e saudável para trabalhar. Parece que estamos falando de uma função desempenhada em alguma academia, não é mesmo? Mas não. Estar bem no ambiente de trabalho – e aqui nos referimos a toda e qualquer atividade laboral – decorre de uma série de fatores que incluem: estar feliz com a atividade que exerce, produzir o que se espera, ser reconhecido, ter um bom salário e, porque não, alimentar-se adequadamente.
Muitos podem pensar: que ligação a alimentação tem com a produtividade? Simplesmente tudo. Manter bons profissionais em uma empresa exige esforço.
 
Mas como incentivar os colaboradores?
Para que um colaborador se sinta parte da empresa e queira crescer com ela, é preciso, antes de tudo, que ele esteja feliz. Por isso, listamos abaixo 4 dicas para que o setor de recursos humanos estimule a qualidade de vida dos colaboradores, que acaba por refletir até mesmo na saúde da empresa e no desempenho no mercado.
 
1) Ofereça cursos on-line sobre nutrição a seus colaboradores
Receitas saudáveis, dicas para emagrecer, sucos e drinques nutritivos, alimentos probióticos, ervas naturais. Enfim, o aplicativo educacional Qualifica, que integra o Vale-Educação, oferece mais de 40 cursos, entre os quais o de Nutrição.
Ao todo são cinco módulos – Saúde, Alimentação, Nutrição, Fontes e Alimentos. À medida que vai cumprindo os módulos, o participante tem acesso à uma prova. Caso seja aprovado, um certificado é concedido e pode ser anexado ao currículo.
 
2) Tire pausas para o lanche e descanso
Oferecer ao colaborador um tempo para que ele descanse a mente – com acesso a um lanche durante os horários menos produtivos – é uma forma de mostrar a preocupação da empresa em “cuidar” de sua mão de obra.
A eficácia dessa pausa pode ser verificada pelo setor de recursos humanos por meio de avaliações de desempenho, além da análise se uma ou outra equipe está excessivamente atribulada e sem conseguir fazer a pausa, sendo necessária a redistribuição de tarefas.
 

 
3) Crie programas de incentivo para melhorar o ambiente de trabalho, como:
– Prevenção de riscos ambientais: agentes físicos, químicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração, intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde dos colaboradores.
– Controle médico de saúde ocupacional: realização de exames médicos admissionais,
periódicos, retorno ao trabalho, mudança de função e demissional, visando prevenir, monitorar e controlar possíveis danos à saúde e integridade do colaborador no que se refere às doenças relacionadas ao trabalho.
– Laudo técnico das condições do ambiente de trabalho: documento que visa reportar as condições do meio ambiente de trabalho do colaborador. Serve como comprovação de que o colaborador esteve exposto a determinados riscos durante o período de permanência na empresa.
 
4) Reduza o ritmo de trabalho da equipe
Com os mais recentes avanços tecnológicos, tornou-se mais frequente o hábito de fazer várias atividades ao mesmo tempo. Mas, se em parte dos casos ser um profissional multitarefas é sinônimo de produtividade, em outros acaba sobrecarregando até mesmo a saúde física da equipe, com reflexos nos resultados da empresa.
Priorizando uma única tarefa, o colaborador consegue manter a concentração e o foco no trabalho, além de apresentar resultados com mais qualidade, sofrer menos pressão e tornar o processo de produção menos estressante.
A exemplo das dicas acima, manter bons profissionais na empresa exige mais do que uma remuneração. O colaborador precisa estar feliz. Por isso, cabe ao setor de recursos humanos das corporações investir em programas de melhoria da saúde, do bem-estar e da segurança de seus talentos. Ambiente de trabalho adequado e profissionais satisfeitos se transformam em receita de sucesso.